Têxteis

Têxteis de base florestal, como rayon, viscose, modal ou liocel são cada vez mais usados na indústria da moda. Estas fibras de celulose, quando certificadas FSC, provem de florestas bem geridas, e são uma opção mais ecológica do que fibras sintéticas, como náilon ou poliéster, ou mesmo fibras naturais, como o algodão.

Têxtil
iStock.com / Yuricazac

MODA SUSTENTÁVEL

ModaAs fibras de celulose constituem atualmente menos de sete por cento do mercado global de fibras. O seu volume de produção mais que duplicou desde 1990 e a previsão é que a procura cresça nos próximos anos.

Este crescimento é impulsionado pela crescente procura por matérias-primas renováveis e sustentáveis na produção de têxteis. No entanto, esses materiais podem ser obtidos de áreas de risco, onde a desflorestação ou práticas florestais inadequadas são comuns. Nesse caso, estas fibras representam uma ameaça não apenas para as florestas do mundo, mas também trazem riscos de reputação às marcas. Através da certificação FSC, a indústria têxtil pode mitigar esses riscos, salvaguardando os benefícios ambientais, mas também sociais e económicos das florestas.

Muitos consumidores veem a moda como um meio de autoexpressão e o uso de tecidos de origem responsável está a tornar-se cada vez mais importante, à medida que questões como as alterações climáticas são mais comuns. Uma pesquisa global, conduzida pela Globescan em todo o mundo, refere que metade dos consumidores inquiridos reconhece o rótulo FSC e confia no sistema para a proteção de florestas. Cerca de 80 por cento dos inquiridos esperam que as empresas garantam que os produtos de base florestal que usam não contribuem para a desflorestação.