Notícias

Monday, 03 August 2020
Preservar as florestas pode ajudar a proteger a saúde humana

Estele (© ©FSC GD)© ©FSC GD

Investigadores alertaram sobre os efeitos da desflorestação na saúde humana muito antes do início da epidemia da COVID-19.


À medida que os decisores começam a examinar medidas para impedir a propagação de novos vírus, algumas soluções já estão disponíveis. A silvicultura sustentável é uma delas.

"A natureza está a enviar-nos uma mensagem"
Nas últimas décadas, os seres humanos modificaram os ecossistemas florestais e aumentaram a exposição a animais selvagens por meio de projectos globais de comércio e expansão da vida selvagem. Um exemplo disso é o ganho de terras agrícolas com a desflorestação de áreas tropicais. Como consequência negativa, a humanidade está cada vez mais afectada por doenças de origem em vida selvagem.
Em 2001, um estudo científico indicou que 75% de todas as doenças infecciosas emergentes nos últimos 50 anos provinham da vida selvagem. Mais tarde, outras investigações vincularam novas doenças infecciosas à desflorestação.
Antes da COVID-19, vários surtos de Ébola afectaram a África Ocidental, a maior das quais ocorreu entre 2014 e 2016. Cientistas encontraram uma forte correlação entre a perda de florestas e o tempo dos surtos de Ébola. Acreditam que os morcegos-da-fruta espalharam a doença em 2014, quando visitavam áreas habitadas por humanos, na procura de alimentos.
À medida que a desflorestação destrói os habitats, muitas espécies selvagens - incluindo morcegos, pangolins e macacos - entram em contacto mais próximo com outros animais e humanos em busca de novos lares e alimentos. Esta situação aumenta os níveis de stress dos animais e o risco de doença. Além disso, muitas espécies selvagens normalmente autoisolam-se de pares contaminados para evitar a propagação de doenças entre as comunidades. Quando os habitats são destruídos ou diminuem de área, é mais difícil protegerem-se de novos vírus e acabam infectando as comunidades onde vivem e outras espécies.

A Directora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Inger Andersen, declarou recentemente que a natureza estava a enviar-nos uma mensagem através da pandemia de coronavírus e da crise climática. Acrescentou ainda que "a nossa resposta de longo prazo deve ter em conta a perda de habitat e biodiversidade", já que estas pressões sobre o mundo natural tiveram consequências danosas.

O que os povos indígenas sempre souberam
Embora muitas pessoas possam apenas agora descobrir como a protecção das florestas é crucial para a sua própria saúde, esta não é uma informação nova para os povos indígenas. O seu modo de vida sempre objectivou preservar o equilíbrio dos ecossistemas e a biodiversidade.
Os povos indígenas também estão cientes das propriedades curativas de muitas plantas encontradas nas florestas onde vivem. Mais de 25 por cento de todos os medicamentos usados ​​hoje, na verdade, vêm de plantas florestais. Ao perder florestas, também corremos o risco de perder os medicamentos. Como o conhecimento indígena tradicional é baseado na sustentabilidade, ele pode desempenhar um papel crítico no fornecimento de soluções para preservar as florestas e, assim, evitar epidemias. Ao respeitar os direitos dos povos indígenas e preservar o seu conhecimento, outros membros da sociedade em geral poderiam aprender mais sobre a gestão sustentável de recursos, o que poderia, por sua vez, economizar dinheiro e proteger as populações futuras.

Porque a silvicultura sustentável faz parte da solução
O Forest Stewardship Council® (FSC®) reconheceu a importância dos Povos Indígenas na luta contra a desflorestação há muitos anos.
Em 2012, o FSC modificou os seus Princípios e Critérios para priorizar os direitos dos Povos Indígenas. O Princípio 3 exige agora que todos os proprietários e gestores florestais certificados pelo FSC identifiquem e defendam os direitos dos Povos Indígenas locais ao uso e posse da terra, territórios e recursos afectados pelas suas actividades de gestão. Também pede às empresas certificadas pelo FSC que obtenham o consentimento livre, prévio e informado dos Povos Indígenas, antes de empreender operações florestais. Este consentimento reconhece, assim, o direito dos Povos Indígenas de fazer escolhas livres e informadas sobre o desenvolvimento das terras e recursos.
A organização lançou recentemente uma nova Fundação Indígena FSC. Esta unidade estratégica e operacional desenvolverá soluções criativas e inovadoras para apoiar as comunidades indígenas em todo o mundo. Algumas comunidades indígenas utilizam a certificação FSC como uma ferramenta para gerir as terras. O sistema FSC procura proteger as tradições presentes nas florestas. A nova Fundação também permitirá que os Povos Indígenas construam e orientem a gestão sustentável das suas terras.
Para atingir os objectivos, a Fundação adoptará uma abordagem de paisagens culturais indígenas. Desenvolvida pelo FSC em 2016, esta abordagem reconhece e valoriza o relacionamento duradouro dos Povos Indígenas com a terra, água, fauna e flora, e o seu significado espiritual para a identidade cultural, conhecimento e meios de subsistência.
Mas garantir que os direitos indígenas sejam respeitados é apenas uma das formas pelas quais o FSC pode ajudar. A Direcção do FSC Internacional estabeleceu um Comité Permanente de Povos Indígenas em 2013. É composto por representantes de Povos Indígenas de todas as regiões do mundo e projectado para dar voz aos Povos Indígenas dentro do FSC. Os membros do comité aconselham a Direcção em todas as questões relacionadas com o envolvimento dos povos indígenas no FSC - incluindo Políticas, Normas e Certificação. Exemplo disso é o facto da gestão florestal FSC exigir a protecção dos serviços de ecossistema. Estes serviços incluem a preservação da biodiversidade e fontes de água limpa ou o sequestro de carbono. O FSC desenvolveu ferramentas para recompensar os titulares de certificados FSC por preservar estes benefícios naturais.
Muitas medidas do FSC podem, portanto, ajudar a reduzir o risco de pandemias, preservando as florestas para as gerações futuras. A certificação FSC pode primeiro garantir os habitats naturais de que os animais selvagens precisam para manter uma distância segura dos humanos. Também pode fornecer-lhes e às comunidades locais, áreas e serviços de ecossistema. Finalmente, pode permitir que empresas e sociedades beneficiem do antigo conhecimento das comunidades indígenas para aprender a preservar os recursos -incluindo plantas para medicamentos - e a biodiversidade de maneira mais segura e saudável.


Estele (© ©FSC GD)© ©FSC GDEstele (© ©FSC GD)© ©FSC GD



© Forest Stewardship Council® · FSC® F000226